modular é necessário







sábado, 21 de agosto de 2010

um instante do livro


A música me empurrava, cúmplice do lugar, que inteiro me aguardava inteira. 
Um turíbulo de prata escurecida encostado num canto com sua corrente partida parece ter me pertencido, fato incompreensível mesmo a sensação sendo tão nítida e viva. Acho que esses versos já fazem parte daquilo de que sou composta, assim como também o brilho que resistiu na prata pretejada, também a poeira nas madeiras, depois o silêncio sepulcral, as imensas e pesadas chaves enferrujadas, as imagens mais expressivas e os andores melhor esculpidos, tudo.

Não posso ser isso, não tenho ferrugem e ainda estou por me esculpir, mas reconheço alguns de meus desejos nessas sombras do lugar. Entendo sentindo, afinal, o que me trouxe. Daqui partiu tudo, enquanto em mim há em tudo o susto do elemento ausente, o algo que ainda falta chegar. 
Sou esperança?


trecho de “Olímpia”
Patricia Maês

19 comentários:

  1. Boa postagem- gostei- Sou esperança- Beijosssss

    ResponderExcluir
  2. Você é a esperança querida, essencial, imprescindível, Kalau.
    Que bom que passa por aqui...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Patrícia,

    Uma prosa com voz pairando, como poeira - pó compacto de poesia, da madeira às paredes, em toda a paisagem e detalhe do seu interior, em cada figura de linguagem que você tece com primor e elegância, há marca poética. Quase tinta, quase tela! E porque tem movimento e som, um ato, peça que dá gosto "interpretar".

    Uma prosa em sépia! Que bonito isso… você dá esse tom do início ao fim. Em sépia até o som!

    “Como alguém consegue escrever em sépia?” – pensei logo eu, assim que comecei a ler o texto!
    Fui descobrindo que essa cor de nostalgia pode ser também a do porvir; e que tem som, tem música sobreposta e “remanescente”, ecos de outra canção, som que é coisa que não se perde no tempo nem no espaço, e que aqui fora “ativado” pelo sentido à espera no “confessionário” – essa imagem, Patrícia, foi arrebatadora. Bela.

    “A música me empurrava, cúmplice do lugar, que inteiro me aguardava inteira.”
    “Um turíbulo de prata escurecida encostado num canto com sua corrente partida parece ter me pertencido […] prata pretejada…”
    Outra imagem a se aguçar sobre nossos sentidos!

    E o desfecho é de quem entende que o final de um ato é só o começo de uma questão:
    “Não posso ser isso, não tenho ferrugem e ainda estou por me esculpir […]Daqui partiu tudo, enquanto em mim há em tudo o susto do elemento ausente, o algo que ainda falta chegar.
    Sou esperança?

    Meus sinceros aplausos, de pé.

    Com carinho e admiração,
    .
    .
    .
    Katyuscia

    ResponderExcluir
  4. E avisa-nos quando o livro estiver pronto.
    Por essa "palhinha", já se sente que é algo para cabeceira.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Com um texto desse como não ser esperança? Aliás, a desesperança é uma contradição para o artista.
    Deletei-me com seu texto, Patrícia. Prosa com a costura poética é outra coisa!

    ResponderExcluir
  6. Patrícia,



    Este reconhecimento "a posteriori" das memórias anteriores, vendo-se, a personagem, depositada/ confundida com objetos e cenários, foi muito bem apresentado por vc.



    :)







    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Sim, é! Definitivamente!

    ResponderExcluir
  8. A Katiuscia, sensibilíssima, roubou o que eu queria ter escrito. Mas tudo bem... depois eu me acerto com ela...
    Realmente seu texto tem o tom da tinta de sépia, de ferrugem. Ao mesmo tempo que é prosa, é poesia pura, como um velho banco de confessionário ou um turíbulo de prata escurecida encostado num canto.
    Foi ler e me sentir grávido...
    Beijão do Chico

    ResponderExcluir
  9. esse seu "despregar" desses cenários me deu uma sensação não de distanciamento, mas de um separar-se da superfície para mergulhar no que comporta mais do que um olhar (quanta vida habita uma imagem?). na verdade, não importa muito o quanto, mas sim, que há vida, e que esta vida não está presa apenas à imagem, ela caminha, ela se move, ela está na canção que segue seu próprio ritmo. é um movimento não vertical, pois se mostra horizontal, cheio de possibilidades pois dele parte o princípio sem estabelecer um fim, já que abre em momentos novas possibilidades de construção desse movimento.

    ;)

    beijos,
    G

    p.s gostei não só desse texto mas de ver que tem mais coisas, depois darei um pulinho nos olhos e comentarei as imagens que vc escolheu, tá tudo lindo

    ResponderExcluir
  10. Estar por esculpir
    Gostei !
    Zen mind, beginners mind .
    Transformação e movimento evolutivo sempre.
    Prazer passar por aqui e ler , que bom que existe este blog !
    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Patrícia,

    Não tinha como não deixar um comentário sobre como decoras este espaço.
    Ao papel de parede já me tinha rendido... adoro a cor e a textura! [Parece que se está do lado de dentro de um coração!]
    As telas que nos prendem com olhos de galeria são de uma beleza que rima com tudo! Delicadeza que vibra, reverbera...

    Reflexos de quem és.

    Um beijo, em esmero.
    .
    .
    .
    Katyuscia

    ResponderExcluir
  12. patricia:
    mandei este texto pra minha página no facebook.
    um beijo.
    romério

    ResponderExcluir
  13. Patricia

    What a powerful, yet playful line In Composer "L2 Of Opus 48" . I love it.
    Also I find that the concept of inversion that you explore is soothing after all the anticipation created by the content of this piece. I also enjoy the manner in which you demolish existentialism by involving the audience, willingly or contrived to participate in the emotion of wonder while the protagonist anticipate rebirth or just pure manifestation after the death of..................
    ?
    "Dreaming an eternal spring of provision of the inspiration, of the beauty... and the beauty had another name, also secretly and alone I would know." Just superb Patricia!!
    Wonderfully dramatized. Congratulations

    Your friend
    Fredrika van der Merwe“...

    ResponderExcluir
  14. Meus olhos ainda rendidos pelos vastos cenários, telas e palavras forjando o de dentro, sanguíneo modo de se acontecer.
    A prosa, um relâmpago de paragens muito antigas, espreitando futuros, aquiescências do destino. Fico com "o susto do elemento ausente, o algo que ainda falta chegar". Seu outro nome é encanto.

    ResponderExcluir
  15. Quero agradecer a todos que andam passeando por aqui...

    Beta, sua visita que também tem nome "encanto", me fez um imenso bem.


    Obrigada,
    Patricia.

    ResponderExcluir
  16. Belíssimo texto, um convite a se reinventar sempre, que seria se nós sem essas ausências e esses sustos? Uma vida blindada e tosca sem fendas, nem janelas, prefiro a espera que inventa o que ainda não há.

    ResponderExcluir
  17. o tempo que nos leva as vezes nos tras nem que for no sonho sonhado, foi assim que te li. e por isso me gostei nas suas metaforas.

    ResponderExcluir
  18. Patrícia, é um prazer conhecer o seu cantinho,é muito lindo e seus escritos tem muita poesia.
    Gostei de tê-la encontrado. Vonvido-lhe a dar uma passadinha no meu cantinho,será um prazer!

    ResponderExcluir